O Medo - outra Indústria

O Medo - outra Indústria

O Zé Povinho gosta de emoções quer o admita quer não. O medo traduz-se em adrenalina e emoção. As montanhas russas estão cheias de gente aos gritos, que pagam para lá andar. Idem para quase todos os desportos radicais. A cleptomania acaba por ser assim, ter a emoção de ser apanhado. Tenho uma boa colecção de copos roubados em bares que não teria interesse se mos tivessem dado. A primeira vez que vi um copo de Gold Strike meti-o ao bolso. Apareceu um segurança/barman que me pediu em duas tranches, o copo e tampa.

De outro lado vem o medo ridiculo, insensato e irracional:
- Medo de doenças, tipo a gripe das aves. Quantas pessoas realmente morreram daquilo? 30? Morrem mais com osso de galinha atrvessado na garganta ou com aves estragadas. Que tal ver quantos morrem de cancro?
- Medo de terrorismo: Será que alguém vai mesmo meter uma bomba num voo entre Madeira e Porto Santo? Será que as santas terrinhas no meio do Kentucky têm mesmo de temer um atentado terrorista á porta de casa, que justifique a compra de uma M-16?
- Medo higiénico: Será que estar todo borrado de medo que um copo esteja sujo num restaurante tem comparação com a maneira suja como a comida pode ser preparada? Será que beber dum copo de alguem amigo é mesmo mais nojento que beber do copo da familia? Será que vale a pena forrar a sanita do WC com papel para depois ao sair dos lavabos, abrir a porta, tocando na maçaneta?
- Será que temos mesmo de pensar que o SIS vai andar atrás de cada um seguindo-o com câmaras e registos de cartão MB, ou tags RFID das compras? Será que a vida do Zé Povinho tem mesmo algum interesse?? Que presunção!! O medo alia-se, neste caso, a algum ego social.
- Será que os estádios de futebol é só hooligans? Há montes de gente que morre de medo de violência. Injustificado, embora ficar perto das claques seja de evitar.
- Medo ambiental: Será que o mundo vai mesmo apodrecer com os abusos e que vai haver assim tantos terremotos? Notícias nos aniversários do terremoto de Lisboa a referir probabilidade de haver uma repetição nos próximos 100 anos são o pânico geral durante a moda nos media.

O medo é também usado como peneira á frente dos olhos. Povo com medo não raciocina. Não vê outros acontecimentos sem ser a causa do medo. Não reaje. Não questiona. Compra tudo o que possa ser solução independemente de o problema existir ou não.

As gripes das aves, mercúrio das espadas, febre aftosa e doenças das vacas loucas correspondem a mudanças nos mercados dos alimentos, e a criação de necessidades de novos medicamentos.

Será que as ameaças deste tipo são piores que o consumo de gorduras, tabaco, e condução perigosa nas auto estradas?

Comments

The Best Alltime Posts

Jacques Cousteau - Episódio Negro no Tejo

Sacadura Cabral...faz hoje 28 anos..

Abu Nidal em Portugal