Wednesday, May 13, 2015

O que custa a "reestruturação" da TAP


Diz o governo que se a privatização da TAP não tiver sucesso, proceder-se-à a uma "reestruturação".
Pergunto o que entende por "reestruturação".

Representa um investimento pago à cabeça bem grande e do meu ponto de vista pode ser uma "ameaça" vã.

Por pontos:
A) Staff
Despedir funcionários com mais de 20 anos de casa passará certamente acima dos 50 000 euros, e são pagos na hora
Despedir 1000 => 50 milhões de euros

B) Frota
A primeira leva de A319 tem 16/17 anos, e são 17 exemplares . A319ceo > 50 MSUD
Os 3 A340 têm todos 20 anos. A330ceo ou A350 acima dos 250MSD
Os 6 F100 têm todos mais 20 anos => E190s > 40 MUSD
Fatura acima dos 2 biliões de USD

A aeronave mais nova da TAP é um 320 que saiu de TLS no final de 2009.

Idade média da frota TAP for tipo de avião
Aircraft   Number   Age  
Airbus A319   21   15.8 years
Airbus A320   19   11.2 years
Airbus A321   3   14 years
Airbus A330   14   12.5 years
Airbus A340   4   20.3 years
TOTAL   61   13.8 years

O caso da PGA é ainda mais preocupante.

C) Downsize do Grupo
VEM: despedimento colectivo? Venda?
Groundforce: venda dos 49% ao grupo Urbanos?
TAPME: é a mesma entidade legal que a transportadora, não empresa àparte.
Para vender era preciso criar uma nova e fazer o staff mudar o contrato de trabalho (TAP => TAP spdh & Groundforce & Urbanos).

A única fácil é deixar morrer a PGA a nível de operações e manter os empregados a voar na TAP. imagino resistências internas por questões de equiparação de salários.

As vendas, novamente, são processos de privatização.

Despedimentos colectivos são muito custosos financeiramente mesmo que tenham aceitação dos trabalhadores.

Privatização da TAP: No sábado que propostas terá o governo na mão para avaliar?


O deadline para apresentação de propostas de privatização da TAP termina 6a feira às 24h.

No sábado que propostas terá o governo na mão para avaliar?

Confesso que não tenho nenhuma perspectiva concreta do que vai sair daqui.

Acredito que:
1- Haverá propostas não Europeias
2- Que haverá algum sócio nacional em alguma medida
3- Que o chefe de fila será uma companhia aérea, não descurando a hipótese que no consórcio se integrem instituições financeiras
4- Que um consórcio possa estar montado para se separar mais tarde ficando com partes que lhes interessam (catering, TAPME, resto da Groundforce, etc.)
5- Que a companhia aérea a entrar no capital seja membro da Star Alliance ou venha a ser
6- Que a companhia aérea a entrar no capital tenha interesse em fazer escalas em LIS

Sobre 1 há sempre a questão do foreign ownership. Dentro da EU27 não há nenhum precedente de controlo acima dos 49% e o mais perto é o caso da Alitalia. A Virgin Atlantic com 49% na mão da Delta, dado a Virgin está mais implantada nos US que os US na Europa, não conta.
Portugal não é conhecido por ser foco de inovação em qualquer tema de concorrência ou modelo de negócio, mas não podemos viver do passado.

Sobre 2 o que não falta são "papáveis". EuroAtlantic, Hifly (há sempre uma réstia de ressabio contra a TAP), White (mais próxima da TAP) adorariam meter-se, mas também há a Urbanos, por exemplo. Grupos como o da MARTIFER têm-se posicionado em negócio diversificado e não seria surpreendente a entrada em cena. O grupo Barraqueiro (com ARRIVA na estrutura) tem peso nacional, e pode posicionar-se para outros temas (liberalização dos transportes públicos terrestres) ao dar um passo em frente para assegurar que há capital privado nacional ali. Pensar que podem ter votos suficientes no conselho de administração para que, somados aos do governo, as decisões sejam nacionais.

Sobre 3, a Alitalia foi privatizada (a primeira vez) com muito capital que não era aviação. BCP, Novobanco podem meter-se.

Sobre 5, a Avianca está na Star, e a Azul tem sido falada e com United a participar no capital. Aqui na Europa é só escolher, Lufthansa decidiria. A GOL se decidisse enfiar-se no Longo Curso (parceira da TAP a substituir a TAM nas rotas internas) seria a grande beneficiada.Excluiria a TAM, por estar na One World.

Sobre 6, que se calhar é o critério mais importante, é onde vejo a coisa afunilar. As únicas airlines que podiam ter interesse são as brasileiras. O hub da TAP só faz sentido a voar da Europa para Oeste, dado que o tráfego é maioritariamente brasileiro e low yield (falo de tudo o que não seja São Paulo e Rio de Janeiro). De modo que o interesse de uma China Eastern, que teria algum beneficio de montar um hub a meio da Europa (exo. Korean e a CSA checa) enviando os seu pax para os destinos principais dentro da Europa, nunca seria satisfeito com um Shanghai-Lisboa que sobrevoaria toda a Europa e implicaria um voo de volta para Este que atravessaria a Espanha durante 1h30 antes de estar em condição de atingir outros destinos. A Air China (também Star) faz escalas em Madrid a caminho de Guarulhos, sem ter de comprar nada.

Tenho a certeza que faltam várias peças do puzzle nesta análise, e que vamos ter surpresas no Sábado.

Wednesday, April 29, 2015

Começam os ratos a saltar fora do barco



Começam os ratos a saltar fora do barco, veja a Carta Aberta aos Pilotos da TAP: http://www.naotaposolhos.com/?p=1408

Pois é caro António-Pedro Vasconcelos é o que dá vires promover-te a ti e aos teus colegas com um tema que difere muito do teu dia-a-dia. É que sabes, António, a TAP voa no mundo real.
Não dá para trazer actores como o Abrunhosa e aceitar erros de casting.

Não dá para andar a apregoar privatizações “democráticas” e depois refazer o guião e mudar para um final feliz. Ou recusar-se a assinar o filme, quando não te sai a gosto. Agora que vês a coisa a dar para o torto, desmarcas-te e passas o ónus para os pilotos, quando estiveste frenético a afugentar todo e qualquer investidor e instigar toda a resistência dos empregados, e a matar a vontade política (que já se sabia ser volátil) de resolver alguma coisa.

A táctica cobarde de esticar a coisa até às eleições para ver se a onde passa por cima e o governo resolve o problema com injecção financeira para ficar bem-visto na campanha é no mínimo ingénua.
António, o transporte aéreo não é uma brincadeira que uns fundos vindos do ICAM dão para uns filmes do Paulo Branco, teus e para encher umas salas do King e a malta safar-se. Não dá pro João César Monteiro filmar a preto e meter o dinheiro do subsídio ao bolso pago pela duração do filme.
Eu sou dos que não vão esquecer o prego que meteste no caixão da TAP.

Saturday, September 13, 2014

Estreia na White

Devido aos constrangimentos da frota da TAP, na semana passada fiz LIS-FNC-LIS no CS-TRO.
Gostei muito, os standards eram os mesmos da TAP a bordo, os bancos muito confortáveis e a tripulação motivada.
Muito melhor que os outros ACMIs.

Eis algumas fotos:











Estava a UP nas bolsas das cadeiras apenas não havia vendas duty free a bordo,

Os novos protectores dos encostos de cabeça verde da TAP estavam colocados em todos os assentos.

Quem não tivesse reparado nas cores do avião apenas teria dado pela diferença no "TAP with White Coloured by you" nos anúncios, em que a referência à Star Alliance não foi esquecida. 

Embarcando numa manga à noite deixaria muita gente convencida que tinha voado na TAP.





Friday, September 05, 2014

Primeira visita de sempre de um 787 a Portugal

Primeira visita de sempre de um 787 a Portugal, a 19/06/2014 pelas 15:50.
O Boeing 787-8 SP-LRF, da LOT veio em serviço da HiFly com o número do voo 5K1.

As fotos são o que deu para apanhar.





Voltou mais algumas vezes, desta ia para Brasília com os adeptos  para assistir ao Portugal x Gana no Mundial (24/6).






Friday, June 13, 2014

O Aeroporto de Cabo Ruivo

Artigo interessante que saiu no Jornal do Pq. das Nações, "Notícias do Parque".
No filme "Indiana Jones e os Salteadores da Arca Perdida", o protagonista faz uma viagem dos EUA para o Nepal, com escala em Lisboa, na Pan Am. A escala era feito em Cabo Ruivo, onde é atualmente o Oceanário.


Boeing 777 comemora hoje 20 anos

Há 20 anos, a 12 de Junho de 1994, o Boeing 777 efectuava o 1º voo. A United recebeu o primeiro exemplar no ano seguinte.

A minha estreia foi em Dezembro de 2007, num voo Newark-Heathrow na British Airways, a bordo do B.777-236ER G-YMMG. Foi com a Comandante Wendy.

Fotos:







Friday, June 06, 2014

Jornal Take-Off publicou minhas fotos da despedida do DC-10

O excelente jornal de aviação português Take-Off publicou em Abril as minhas fotos da despedida do DC-10, feita com a Biman Bangladesh:




Fotos da despedida ao A300 publicadas na Avion Revue

Fotos minhas da despedida ao A300 foram publicadas na edição de Junho da Avion Revue.



Saturday, April 26, 2014

Sunday, April 20, 2014

Aeronaves em que já voei: actualização Abril 2014


Aeronaves em que já voei, actualização de Abril 2014.
Novidades a Bold

Boeing

B.707-300 TAP
B.727-100 TAP
B.727-200 TAP
B.737-200 TAP
B.737-300 TAP, Virgin Express, Easyjet, sobelair, VASP, AA Royal Air maroc, GO
B.737-400 Virgin Express, SkyEurope, KLM, Centralwings, ...
B.737-500 LH
B.737-600 SAS

B.737-700 Easyjet, Jetlite,
B.737-800 Ryanair, KLM, Spicejet, ...
B.737-900 KLM
B.747-200 TAP
B.747-400 LH, BA
B.757-200 Eastern airlines, BA
B.757-300 Condor
B.767-300 ANA
B.777-200ER BA
B.777-200LR Quatar
B.777-300 ANA
B.777-300ER Quatar

Lockheed 

L-1011-500 TAP, MMZ

Airbus

A300-600 LH, Monarch
A318 AF
A319 Easyjet, Swiss, BA, etc
A320-100 AF
A320-200 AF, LH, windjet, BA, JetBlue,etc
A321-100 LH, AZ, kingfisher
A321-200 TAP, AF, AZ, Swiss, Air Macau
A310-300 TAP, S4
A330-200 TAP
A340-300 TAP, China Eastern
A340-600 LH
A380-800 Emirates

Avro

Avro RJ 100 - Swiss

ATR 

ATR-72, Air France, Alitalia, CCM

Bombardier

Bombardier CRJ 200 - AirNostrum
Bombardier CRJ 700 - LH
Bombardier Dash8-200 - SATA
Bombardier Dash8-400 - SATA

BAe

BAe ATP - Sata, LAR(hS748?)

Britten Norman 

Britten Norman Islander (operava em Coimbra)

Dornier

Dornier Do228 - Aerovip
Dornier Do228 - Sunair of Scandinavia (BA)


DeHavilland Canada

DeHavilland DHC-6 Twin Otter - TAP Regional, Malta Harbour (anfíbio)

Cessna

Cessna 152 - AeCP

Embraer

E135 – Air France
E140 – American Eagle
E145 PGA, LOT Embraer
E175 LOT Embraer
E195 AirEuropa

Fokker

Fokker 50 - Kish Airline, CityJet
Fokker 100 - PGA

Ilyushin 

Ilyushin 96-300 - Cubana

McDonnell Douglas

DC-10 Varig / Viasa / Biman Bangladesh
MD-11 Finnair
MD-82 Alitalia
MD-83 Spanair
MD-87 Iberia
MD-88 Iberia

SAAB 

Saab 340 Estonian Air
SAAB 2000 PGAExpress

Shorts 

Shorts 360 - Aerocondor T.A.

Yakovlev 

Yakovlev 42D - Cubana

Tour fotográfico a um Hawker Siddeley HS 121 Trident 3 - Parte 2

Cockpit (de 3 tripulantes, 2 pilotos +  flight engineer):

Cockpit: assento e instrumentos do flight engineer:


Fotografias do interior da cabine:





Rara configuração de cabine, com assentos virados para trás:


Galley:




WC:


 Safety cards:


Tour fotográfico a um Hawker Siddeley HS 121 Trident 3 - Parte 1

No Runway Visitor Park do Aeroporto de Manchester está um magnífico Hawker Siddeley HS 121 Trident, que pode ser visitado por todos.

O Trident foi o primeiro trireactor de passageiros da história e o primeiro avião comercial a fazer uma aterragem totalmente automática.

Por uma série de razões, mais políticas do que técnicas, passou ao lado do que poderia ter sido um sucesso estrondoso. Apenas 117 se fabricaram, sendo totalmente ultrapassado pelo 727.

Em exposição está o G-AWZK, Trident versão 3B que voou para a British European Airways Corporation (BEA), depois integrada na British Airways, em fusão com a BOAC.

Relativamente aos Trident 1 e 2, esta versão diferencia-se pelo aumento da fuselagem em mais 5 metros e capacidade para 180 passageiros, alguns em assentos virados para a traseira, raríssimo na aviação comercial.  O 3B é na realidade um quadrimotor, pois tem um pequeno Rolls-Royce RB.162 embutido na cauda, apenas com tubeira visível. Como os RR Spey não tinham mais margem de progressão, para poder assegurar a potência necessária sem mudar de motorização, adicionou-se esta 4ª fonte de propulsão.

Ficou para a história ao ser o avião que o líder comunista Chin,  Lin Biao, usou para a sua fuga, e no qual terá morrido após este se despenhar por - alegada - falta de combustível.

Fotografias do exterior:





Trem de nariz:


Trem principal direito:









A bossa atrás é o 4ª motor, RR RB-126




RR Spey:







Dreno:


Runway Visitor Park do Aeroporto de Manchester:
http://www.manchesterairport.co.uk/manweb.nsf/Content/concordeviewingpark