Tuesday, May 16, 2017

O futuro do A380?

Ninguém sabe o futuro do A380, neste momento em cheque:

- o A380 deu um boost de imagem à Airbus impagável. De repente passou a ser referência com o avião maior. Até crianças de 3 anos o sabem identificar. Até a minha avô com 80 e muitos anos sabia que "agora há um avião maior". 
- O que vai acontecer aos usados é a grande incógnita. Este ano a Singapore vai devolver os primeiros, acabado o leasing de 10 anos. Cheira-me a long term storage e eventual sucata, dado que o investimento em mudar a cabine para o standard de uma airline conhecida (QR, BA,etc.) é proibitivo além de provavelmente estarem à beira de um check caro.
- Não há programa de conversão a cargueiro anunciado, e o cargueiro de fábrica foi há muito cancelado. Há muito metal para converter e não são os grandes os mais apetecíveis (há imensos 767, A330, etc.) 
- Uso para o Hajj é um recurso. Não é por ter aviões maiores que se vai levar muito mais gente, dado que as vagas para os peregrinos são limitadas. Não me parece que compense manter um avião daqueles apenas para um evento sazonal.
- Charters turísticos: também, dado que os 747-400 já quase morreram (Corsair uma das "resistentes", tal como a Wamos) não vejo que mais pax seja o futuro competitivo. 
- Pequenos nichos: ACMI com 2 ou 3 para voos adhoc: encher navios de cruzeiro, escoar pax após congestionamentos pontuais (tipo mau tempo que fecha um aeroporto durante 2 dias), aumento de capacidade pontual (Hajj, férias Natal), evacuações (tipo ir buscar os portugueses à Venezuela quando aquilo rebentar), transporte de militares (como a United Airlines faz com 747-400). Avião VIP para ditador (tal como aconteceu com A340-500). Ou avião presidencial francês.
- Cenário: aumentar a produção substituindo A380 velhos por novos, reciclando peças e interiores dos velhos para os novos
- Factor de morte: a tal 3a pista em Londres Heathrow (LHR) há muito congestionado, promessa eterna dos políticos ingleses
- Factor de morte: A Lufthansa (LH) afirmar que o Boeing 777-9 é mais rentável e começar a despachar A380s
- Factor de morte: A Boeing desistir do 748i por falta de mercado 
- Factor de morte: O declínio das ME3 (Emirates, Qatar e Etihad)
- Factor de morte: qualquer anúncio precipitado da decisão sobre o lançamento do upgraded A380neo. Tanto o cancelar que equivale a desistir, como o lançar e não haver encomendas / desvalorização dos airframes existentes e sucateio
- Factor de morte: Não aparecer um cliente novo até final deste ano. A Emirates é basicamente o único, Virgin ninguém acredita que mantenha a encomenda até ao fim.
- Factor de morte: não aparecer clientes para levar os A380 stored (creio que os da Skymarks ainda dormem na França)
- Factor de morte: mais alguma encomenda de A380 convertida em A350
- Factor de morte: Aguém da AerCap afirmar que o A380 morreu (tal como denunciaram o 1º desenho do A350)
- Factor de morte: A empresa de leasing Doric falir 

Fotos: A embarcar no A380 G-XLEB da British Airways de Singapura Changi para LHR



No comments: